Quem sou eu

Minha foto
“A humildade não é apenas uma graça ou virtude como outras, ela é a raiz de todas, pois somente com humildade toma-se a atitude correta diante de Deus, e permite-se que Ele faça tudo”.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Não é egoísmo, é simplesmente cuidar da alma.


Aprendi que é muito bom doar-se, fazer o bem
pensar no outro, ajudar e ver um sorriso onde só existia tristeza,
chorar com quem chora ,
adotar o amigo quando ele mais precisa,
fazer tudo por alguém que amamos.
Mas, também tenho aprendido
que é muito bom e necessário
ter só um tempo para si mesmo,
um tempo para não pensar no outro,
mas pensar em fazer coisas por si mesmo.
Coisas simples: ler um bom livro,
escutar uma música, caminhar sentindo o ar
sem se preocupar com o que está acontecendo a sua volta,
ou até mesmo não fazer nada.
Não é egoísmo, é um cuidado consigo mesmo,
para que possa ter energia e fôlego
para voltar a abraçar, a consolar, a cuidar,
a se doar.

Não é egoísmo,
é simplesmente cuidar da alma.

                                                             Cléu

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

" É preciso ter coragem para mudar."

Acontecimentos estranhos,
situações estranhas.
Coincidências? Não acredito!
A maldade extrema,
o ninguém ouviu, ninguém sabe.
Mata-se! E nada acontece!
Rouba-se! E nada acontece!
Mentiras, enganos;
e nada acontece!
Acredito que a esperança
desapareça,
quando nós que somos os agentes da esperança,
também desaparecemos.
Então, que tenhamos esperança!
Termino, com as últimas palavras
de Eduardo Campos:
" É preciso ter coragem para mudar."

                             Cléu

domingo, 10 de agosto de 2014

" Pensamos, logo existimos."

Estamos em um momento em que se não estivermos "ligados" entramos em um marasmo ou num "analfabetismo social e político", onde tudo acontecerá sem termos uma consciência crítica, e sim "achismos" e críticas infundadas. Precisamos, necessitamos, está imprescindível tomarmos ciência do que acontece ao nosso redor. Gosto muito de ler pessoas que sabem o que dizem, que não são precipitadas, que realmente tem uma posição, mas acima de tudo possui a realidade, não importando o lado que esteja e que nos leva a pensar, a refletir. Existem escritores e jornalistas que são assim, um pouco raros mas ainda existem e um deles é David Coimbra, jornalista , cronista do Jornal Zero. Colocarei abaixo alguns fragmentos de suas crônicas , vale a pena lê-los.



" Programas de governo são fáceis de fazer.Não dependem de negociação, de conscientização da sociedade, de planejamento ou estudos aprofundados. Também é fácil destinar dinheiro para uma ou outra causa e delegar a responsabilidade a estados e municípios. O difícil, para um governo, é usar sua legitimidade conquistada nas urnas e liderar a sociedade na construção de um sistema de Estado. É difícil, lento e desgastante. E não dá voto."



" Não sou a favor da palmada educativa. E não sou a favor da lei que proíbe a palmada educativa.

Não sou a favor de expulsar alunos da escola. E não sou a favor da norma que proíbe a expulsão de alunos da escola.
Como é que o Estado vai regular pela lei o que tem de ser regulado pelo bom senso?
Até porque, no caso da palmada, o Estado brasileiro não tem nem meios de punir eventuais infratores. Há 500 mil pessoas presas no Brasil, quase meia Porto Alegre. Nas masmorras medievais de Norte a Sul amontoam-se assassinos, traficantes, assaltantes, sequestradores, tratados de uma forma que seria escandalosa, se eles fossem animais de zoológico. Não há lugar para pais lenientes, mesmo que sua negligência tenha permitido que tigres estraçalhassem os braços de seus filhos.
 Uma lei sem poder de punição não educa. Ao contrário, deseduca, porque vira piada. Torna-se uma lei que ensina a descumprir a lei.
A lei é educativa quando pune, porque a punição é educativa. Diminuir o poder das escolas de punir alunos numa época em que a regra é a leniência, como no caso do pai do menino mutilado pelo tigre, ou a indiferença, como no caso do pai do menino assassinado no RS, diminuir o poder de punição das escolas nesse tempo é mais do que um erro do Estado: é um erro criminoso. As crianças, às vezes, clamam pela punição, porque, ao puni-las, pais e educadores demonstram que zelam por elas. Punição justa não é maldade; é interesse, é cuidado, é atenção. As crianças brasileiras e o povo brasileiro estão carentes de punição, não de crueldade. Carentes de autoridade, não de autoritarismo. "