Quem sou eu

Minha foto
“A humildade não é apenas uma graça ou virtude como outras, ela é a raiz de todas, pois somente com humildade toma-se a atitude correta diante de Deus, e permite-se que Ele faça tudo”.

terça-feira, 28 de abril de 2015

Nem sempre. . .



                Muitas músicas durante a nossa caminhada são impostas a nós,
                               mas como iremos encará-las:
                                     deslizar confiantes
                                          ou dançar como se estivesse levando um peso.
                                                        Esta é uma escolha só nossa!

                                                                          Cléu

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Amizades não são forçadas.




    " Amizades não são forçadas. São presentes 

de Deus. A identificação do coração acontece 

primeiro e pouco a pouco o Pai prepara 

encontros, oportunidades de convivência que 

vão construindo uma história. "

                                    Ana Paula Valadão Oficial

segunda-feira, 13 de abril de 2015

O que fazer?




O que fazer quando o sono 
  decide passear
    e chega tarde em casa?
        O que fazer?

                Cléu

sábado, 11 de abril de 2015

Tudo ficasse em paz!

Já expus aqui no blog a minha admiração pelo escritor David Coimbra e hoje, ao ler o jornal Zero Hora, encantei-me com mais uma de suas crônicas. Quero compartilhá-la, pois, ali encontrei poesia, vontades que acredito se assemelham as nossas.O texto é longo, mas vale a pena ler.
Espero que gostem!!



" Às vezes, quando fecho os olhos, pouco antes de dormir, às vezes penso que o mundo inteiro está dormindo naquele momento, e isso… há algo de importante nisso.
Por mundo inteiro refiro-me ao meu mundo, claro. Ao mundo que me interessa, que são as pessoas que conheço.
Imaginar que todas as pessoas estão dormindo é reconfortante. O sono é algo que nos iguala em nossa condição básica, que é a condição animal. Durante essas horas, não existem poderosos nem oprimidos, não existem ideologias, dogmas, crenças ou moral. Ninguém pode fazer mal a ninguém, ninguém faz um comentário ácido na internet, ninguém tenta convencer ninguém de que algo está errado, até porque erros não são cometidos durante o sono. Durante o sono, dorme-se, tão somente.
Hitler, se vivo estivesse, estaria dormindo também, e seu sono seria tão inocente quanto o de um nenê que nasceu ontem.
É tão bom pensar isso. Pensar que o mundo está em repouso.
Noite dessas, alta madrugada, acordei. Continuei deitado na cama, imóvel sob as cobertas, ouvindo o murmurar do silêncio. Nenhum cachorro latia, nenhum carro passava ao longe, eu mal ouvia o ressonar da minha mulher, ao meu lado. Então, baixinho, porém nítido, assomou um assobio. Era um assobio masculino, tenho certeza, e ele vinha a distância, talvez lá da outra ponta da quadra, além da esquina.
O que aquele homem fazia na rua àquela hora? Devia caminhar sozinho e sem pressa. Ninguém assobia de madrugada, se está acompanhado ou apressado. Imaginei que caminhasse de mão no bolso, olhando para o céu azul-escuro, admirando alguma estrela mais vaidosa.
Prestei atenção para identificar a melodia. Era Moon River, que a gloriosa Audrey Hepburn cantou sentada à janela do seu apartamento em Bonequinha de Luxo. É uma música linda e nostálgica. Uma música triste.
Fiquei ouvindo. Ele assobiava bem. O som veio crescendo à medida que se aproximava. Moon River. Ele assobiava para si mesmo, nem desconfiava que havia alguém acordado, deitado, ouvindo. A melodia preencheu o quarto e o meu coração. Era como o rio da música, lento e eterno, sempre o mesmo e mudando sempre.
Ele continuou assobiando enquanto se afastava, e a melodia foi se esvanecendo aos poucos e, naquele instante, por algum motivo, pensei em todas as pessoas que amo, que estavam quietas no escuro de seus quartos, dormindo, sem saber que, em certa parte do mundo, alguém assobiava de madrugada e que outro alguém ouvia em segredo. E, então, senti a emoção aquecer-me o peito, e fiz uma pequena oração para que, quando a luz retornasse e o rio dos dias voltasse a correr, tudo ficasse igual como nas horas de sono. Tudo ficasse em paz."

sábado, 4 de abril de 2015

Getsêmani


No Getsêmani foi que meu Jesus orou,
Se entregando ao Pai mais uma vez.
Logo vieram pessoas para o levar
Para a maior das provações
Ele tanto amou tudo suportou.
Ele carregou a nossa cruz.

Ver os cravos nas mãos, seu corpo a sofrer
Naqueles momentos de dor.
Ver o mestre a chorar e foi por você
Que ele mostrou tanto amor.

Os soldados cuspiam no seu rosto nu...
Posso ouvir o clamor da multidão.
E Jesus a olhar aquele céu azul
Pede ao Pai que lhes dê o seu perdão.
Ele tanto amou, tudo suportou.
Ele carregou a nossa cruz.

Ver os cravos nas mãos, seu corpo a sofrer
Naqueles momentos de dor.
Ver o mestre a chorar e foi por você
Que ele mostrou tanto amor.
Ele tanto, tanto me amou.
Ele tudo por mim suportou,
Carregou minha cruz.

                               Leonardo Gonçalves